no comments

Manifestantes comparecem à Câmara e apresentam reivindicações

DSC09256A sessão desta quinta-feira, 27, foi marcada pela presença de manifestantes, que vieram ao Legislativo apresentar uma pauta de reivindicações. O público foi de aproximadamente 80 pessoas – capacidade do plenário –, entre manifestantes, servidores públicos, moradores e integrantes da Associação do Bairro Jaraguá Esquerdo.

A reunião ordinária transcorreu normalmente, com a discussão e votação das proposições incluídas na pauta do dia. Representantes do Executivo e da Segurança Pública foram convidados a participar da sessão, em solidariedade dos poderes constituídos ao protesto. O major da Polícia Militar, Gildo Martins de Andrade Filho, compôs a mesa.

Antes de abrir os trabalhos, o presidente da Câmara, José Ozório de Ávila, convidou que o movimento indicasse um representante também para compor a mesa. No entanto, eles solicitaram somente a leitura de ofício protocolado na Casa na tarde de ontem, que foi feita pelo secretário Arlindo Rincos.

O movimento intitulado “Jaraguá em foco” apresentou alguns pedidos, entre os quais postergar a construção da nova sede Legislativa, o cumprimento da função precípua do legislador, não ao aumento no número de cadeiras na Câmara, e a criação de um grupo suprapartidário sobre o transporte coletivo.

O presidente declarou solidariedade ao manifesto, colocando a Casa à disposição dos cidadãos. O vereador Wilson Bruch também se dirigiu ao público presente, parabenizando pela iniciativa de realizar o protesto de forma decente e organizada. “Isto mostra que vocês são cidadãos não só de Jaraguá do Sul, mas cidadãos do Brasil”, disse.

Suplente ocupando a vaga por 30 dias, Bruch disse que, apesar de decepcionado com a política, vai continuar participando das audiências públicas e outros debates promovidos pelo Legislativo, e também de outros espaços de discussão, como Apps e conselhos municipais. Na opinião dele, os cidadãos precisam se politizar cada vez mais, participando da vida política e partidária.

Sobre os pontos de pauta dos manifestantes, o vereador disse ser contra o aumento no número de vereadores. No entanto, defendeu a construção de uma nova sede para o Legislativo. “É uma necessidade. Quando e quanto tem de se gastar aí depende de um projeto. Mas há uma necessidade. Não se pode canalizar tudo para um lado. Precisa haver equilíbrio”, disse, acrescentando que, quando à competência fiscalizadora dos vereadores, “Contamos com vocês para denunciar as coisas para a gente”