no comments

Padre Elemar Scheid é homenageado com nome de Rua

Os vereadores aprovaram, na Sessão Ordinária desta quinta-feira (08), por unanimidade de votos, em segunda discussão e votação, o Projeto de Lei n° 220/2017, de autoria do vereador Jaime Negherbon, que denomina a Rua de Nº 1492, localizada na Planta do Quadro do Perímetro Urbano, no Bairro Jaraguá Esquerdo, como PADRE ELEMAR SCHEID.

Em sua justificativa, o vereador reforça que o Padre Elemar foi um homem de uma inteligência muito perspicaz e de uma incrível capacidade de liderança, sempre atento aos desafios da sociedade para dar uma resposta adequada ao momento histórico. “Homem de admirável cultura e personalidade marcante, professor e empreendedor corajoso e lúcido, deixou profundas marcas em nosso município e nas demais paróquias por onde passou. Padre Elemar foi um religioso muito presente na vida da comunidade, tanto pela função quanto pelos serviços prestados”, diz parte do texto.

 

HISTÓRICO

Padre Elemar Scheid nasceu no dia 17/01/1936 em Vila Fão (Lajeado) Rio Grande do Sul. Aos 03 anos de idade, mudou-se com sua família para Três Passos (RG), região do Alto Uruguai, onde iniciou seus estudos numa escola particular de comunidade de origem alemã. Embora seu professor nesta primeira escola tenha sido um luterano, muito influenciou no seu encaminhamento em 1947 para o seminário São Miguel de Crissiumal (RS). De 1949 a 1954 frequentou o seminário menor de Corupá. Em Brusque fez o noviciado e o curso de filosofia, revalidado mais tarde na universidade de Passo Fundo (RS).

Em Taubaté, os superiores o indicaram para estudar em Roma, onde completou sua formação teológica. Licenciou – se em teologia pela pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma. Foi ordenado presbítero em 23 de dezembro de 1961, durante o pontificado de João XIII. Só em 29 de julho 1962, já no Brasil, celebrou as primícias sacerdotais, em Bom Jardim, no município de Três Passos, onde então residia sua família.

Em 1963, iniciou sua atividade pastoral como vigário-coadjutor na paróquia São Sebastião de Jaraguá do Sul. No ano seguinte foi transferido para Taubaté, em cuja Faculdade de Direito se Bacharelou, passando a exercer o magistério no Instituto Teológico dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, função que acumulou com as de pároco de Quiririm e responsável pela pastoral universitária. Em 1966, foi designado pároco da paróquia de Jaraguá do Sul, onde, além pastor de almas, exerceu intensa atividade no magistério de 2º e 3 º grau no Colégio São Luiz dos Irmãos Maristas, no colégio Divina Providência e nas Faculdades de Blumenau (FURB e FEBE). Criou, em Jaraguá do Sul, a Fundação Educacional Jaraguaense (FERJ) e fundou a Faculdade de Estudos Sociais, onde foi professor. Esse importante empreendimento cultural levou a sociedade Jaraguaense a homenageá-lo com a criação da Biblioteca CATÁLICA PADRE ELEMAR SCHEID, no Centro Universitário católica de Santa Catarina. Ainda por sua capacidade, foi nomeado Juiz do Tribunal Eclesiástico da Arquidiocese de Florianópolis, tendo exercido essa função nos dois últimos anos de sua permanência em Jaraguá do Sul. Em 1978, foi transferido para São Paulo, indicado foi para conselheiro – provincial da Congregação do Coração de Jesus. Para tanto, residia na sede provincial, vindo a prestar serviços de assessoria ao governo da província. Não concluiu seu mandato de conselheiro porque, em 1980, foi chamado para assumir a reitoria do Colégio Internacional Leão Dehon de Roma, onde permaneceu nessa função até setembro de 1983. De retorno ao Brasil, em novembro de 1983 foi nomeado pároco da paróquia Sagrado Coração de Jesus do Meier (RJ) e assumiu também por um triênio a coordenação do setor de animação da vida dehoniana do Rio de Janeiro. Em abril de 1988 foi indicado e nomeado membro do conselho-provincial, e, no final de 1989, o governo-geral o nomeou membro do conselho do comitê de animação missionária da Congregação. E pela última vez em 1992, recebe a nomeação para ser pároco da São Luiz Gonzaga de Brusque e mais as funções de superior e tesoureiro-local. Após um ano de paroquiano, desligado dos compromissos pastorais, pediu um ano sabático, tendo como lugar de referência São José dos Campos (residência de Dom Nelson Westrupp,scj). Em julho faz um curso de renovação teológica, em Madri, Espanha. Por fim, em 1995, retorna a São José dos Campos como vigário-coadjutor na paróquia Nossa Senhora de Lourdes do Parque Industrial e ao mesmo tempo lecionava Missiologia no Instituto Teológico em Taubaté.

Sem dúvida, Padre Elemar foi um homem de uma inteligência muito perspicaz e de uma incrível capacidade de liderança, sempre atento aos desafios da sociedade para dar uma resposta adequada ao momento histórico. Homem de admirável cultura e personalidade marcante, professor e empreendedor corajoso e lúcido, o filho de Germano José Scheid e Amália Endler Scheid, deixou profunda marca as nossas províncias, e sobretudo, nas paróquias de Jaraguá do Sul, Méier e Brusque e por onde passou os anos de seu sacerdócio. Padre Elemar foi um religioso muito presente na vida da província, tanto pela função de conselheiros-provincial e também pela presença e pelos serviços prestados ao governo-geral da congregação.

Em 1998, durante os meses de outubro e novembro, os médicos constatam nele um câncer. Após um mês de internação, não obstantes todos os recursos da medicina, veio a falecer, no dia 14 de dezembro de 1998, aos 61 anos, no hospital Pio XII, em São José dos Campos.