no comments

VEREADOR FRANCISCO COBRA ATENÇÃO PARA OS MUNÍCIPES

Na sessão da última quinta-feira (20), o vereador Francisco Alves comentou a situação da rua Campo Alegre, localizada no bairro Ilha da Figueira. Francisco pediu, por meio da indicação 284/10, que a Prefeitura fizesse o conserto da rua que, segundo ele, tem apenas meia pista trafegável. “Como a rua fica em um morro, a situação fica ainda mais delicada”, comentou.

Segundo o vereador, os buracos causam transtornos para os moradores. Para ele, há uma urgência na resolução do problema, pois os buracos e a falta de manutenção da rua causam acidentes. “Muitos veículos caíram naquelas grotas, os buracos da rua acabam causando muitos acidentes”, explicou.

Francisco reclamou da falta de atenção da Prefeitura com os problemas dos munícipes. Ele disse que as deficiências vão dos buracos nas vias principais da cidade até a falta de iluminação em muitas ruas. “Sei que não dá para fazer tudo, mas as pequenas coisas dá. Aprovamos R$ 6 milhões para a compra de equipamentos e queremos esse maquinário a serviço da população”, enfatizou.

[b]Árvore avança sobre fiação[/b]

Francisco mostrou fotos de uma árvore na rua José Theodoro Ribeiro, também localizada na Ilha da Figueira, que está avançando sobre a fiação elétrica. Segundo ele, a árvore causa um grande risco para a população, pois está enroscada na rede elétrica e pode causar um acidente na rua ou na casa que fica em frente a ela. “Nem passarinho faz ninho naquela árvore porque não se sente seguro”, ironizou.

O petista lembrou que fez um requerimento pedindo a poda da árvore há mais de um ano. Ele comentou que houve a poda de árvores na rua Epitácio Pessoa, na beira do rio, local onde não haveria necessidade de ser fazer o serviço.

O vereador Justino da Luz (PT) lembrou que o serviço é feito por uma empresa terceirizada, mas que as ordens de serviço são dadas pelo setor competente na Prefeitura. Então Francisco apelou que os competentes o façam.

[b]Atendimento da Secretaria de Obras[/b]

Francisco comentou que ligou na frente de munícipes para a Secretaria de Obras e foi informado que o secretário Valdir Bordin estaria de férias. Ao pedir que fosse passada a ligação para a pessoa competente não foi atendido. “Fiquei um tempo esperando na linha e cheguei a ter o telefone desligado na minha cara. Imagina o que acontece com um cidadão comum?”, questionou o vereador diante do desrespeito a uma autoridade.