no comments

70 ANOS DE HISTÓRIA MERECEM DESTAQUE ESPECIAL

[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-e3c5-967f.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-e3aa-89b1.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-e344-a540.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-e2b9-a645.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-e298-e734.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-e275-f5ea.jpg[/img]

Diretores, funcionários e familiares dos empresários do Grupo Menegotti prestigiaram, na última quinta-feira (24), a homenagem prestada pela Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul à empresa fundada há 70 anos. O vice-presidente Lorival Demathê (PMDB), propositor da solenidade, mencionou que a empresa, que começou como uma modesta ferramentaria, soube mostrar “rapidamente que teria um futuro promissor”.
O peemebebista fez um minucioso relato histórico da empresa, o que surpreendeu até mesmo os empresários Sigolf Schünke e Cacilda Menegotti Schünke (genro e filha dos fundadores Maria Kanzler Menegotti e Erwino Menegotti). “O irmão dele é um de nossos funcionários mais antigos”, contou Sigolf, ao apontar a possível fonte de conhecimento do vereador.
Demathê destacou a visão empreendedora de Erwino Menegotti, que montou uma fábrica sobre um nicho de mercado, pois a maioria dos produtos manufaturados disponíveis no Brasil eram importados. “Esta empresa sempre foi inovadora, sempre teve uma incessante busca de melhorias dos equipamentos e de seus produtos”, disse o vereador, que também destacou a importância da empresa para Jaraguá do Sul. “Hoje, a Menegotti exporta para 70 países”, completou.
O superintendente do Grupo Menegotti, Geferson Fernandes dos Santos, explicou que todos os diretores estão honrados em receber a homenagem. “A história aqui mostrada orgulha a todos nós e estamos aqui por causa do fundador que teve uma visão, um sonho”, disse. Para ele, Erwino compartilhou seu empreendedorismo com muitas pessoas e a empresa leva com bastante determinação o nome de Jaraguá para todo o País e o mundo.
O diretor da Menegotti explicou ainda que a Câmara reflete o espírito empreendedor da cidade. “Nós estamos em uma cidade que aposta nos cidadãos e nas empresas”, destacou. A Câmara, segundo ele, representa bem a população de Jaraguá e está atenta ao cotidiano e à história da cidade. “Queremos agradecer aos vereadores e aos nossos funcionários. Nós buscamos a certeza de que vamos comemorar mais 70 anos”, finalizou.
Sigolf Schünke disse que a história da Menegotti se confunde a de outras empresas. Ele exemplificou esse raciocínio contando a parceria com a Urbano Agroindustrial, que teve os seus 50 anos homenageados este ano também pela Câmara. “Nós fabricamos as primeiras secadoras de arroz para eles. Quando eles foram homenageados, eu estava aqui”, disse. Em reconhecimento, diretores da Urbano também o prestigiaram. Para Schünke, isso mostra que a Câmara acompanha o dia-a-dia da cidade.
Ele comentou que entrou com 1958 na empresa, que já contava com a ajuda da mulher no setor de contabilidade. “Trabalhamos para deixar a empresa para os nossos filhos”, disse Schünke. Ele comentou que a empresa é tocada pelo filhos, Márcio Menegotti Schünke e Mércia Menegotti Ferreira Horn (também homenageados). “Os nossos filhos assumiram e tenho orgulho de dizer que elas estão dando conta do recado. Não sei se aguento mais 70 anos, mas pelo menos 30 eu aguento”, confidenciou o empresário.
O secretário de Indústria e Comércio e Turismo, Célio Bayer, comentou que esta é uma homenagem justa, pois são poucas empresas que já conseguiram passar da casa dos 70 anos em Jaraguá do Sul. “Duas Rodas, Breithaupt e Menegotti já passaram de 70 anos. Isso mostra vocação para a diversificação empresarial de Jaraguá do Sul”, comentou o secretário, que representou a prefeita Cecília Konell.
“O mais importante da história do empreendedorismo jaraguaense é a sabedoria dos seus gestores. Cada um buscou o mercado a seu tempo”, explicou Bayer. Segundo ele, a Menegotti trilhou esse caminho começando a sua produção com implementos, um nicho de mercado na época. “Ela foi com tempo e com inteligência buscando novos nichos, inovações”, apontou o secretário.

[b]Um pouco da história da Menegotti[/b]

Fundada em 1940 pelo casal Maria Kanzler Menegotti e Erwino Menegotti, que com a ajuda de quatro funcionários produziam machados, enxadas, foices e faziam consertos de carroças em uma Jaraguá tipicamente rural e com um população de apenas dez mil habitantes, em apenas dez anos a empresa ampliou sua gama de produtos e triplicou as instalações.
Em 1963, o seu primeiro forno de fundição entrou em atividade, possibilitando a fabricação de outros produtos como turbinas hidráulicas e a prensa para tubos de concreto. Após quatro anos, houve investimentos massivos nos equipamentos da linha de produção e a Menegotti produziu sua primeira betoneira. A primeira de milhares que fizeram com que a Menegotti se tornasse líder no segmento na América Latina.
Com o falecimento de seu fundador, em 1983, Sigolf Schünke e a sua esposa, Cacilda Menegotti Schünke, assumiram a direção da empresa. No ano de 1988, iniciaram as atividades da divisão de Fundição da Menegotti, em Schroeder. Lá, montam um parque fabril moderno e com tecnologia de ponta.
O ano de 2003 foi marcado pela cisão do Grupo Menegotti. Hoje, com o nome de Menegotti Indústrias Metalúrgicas Ltda., a empresa é formada por duas unidades de negócio independentes: Menmaq e Menfund. Nas fotos, os momentos de confraternização entre os vereadores, os empreendedores e o grupo de funcionários que fez questão de prestigiar a noite.