no comments

INFRASUL APRESENTA SOLUÇÃO PARA DEGRADAÇÃO DE MARGEM DE RIO

[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8663dc2-96f5-7365.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8663dc2-96db-10f3.jpg[/img]
Os técnicos da empresa Infrasul, de Joinville, apresentaram na manhã desta quinta-feira uma alternativa para a erosão nas margens do rio Itapocu, que está destruindo os quintais de casas da rua Lilia Ayroso Oechsler, no bairro Ilha da Figueira. O vereador Francisco Alves (PT), que vem intermediando o diálogo entre os órgãos de defesa ambiental, a empresa e os moradores, realizou uma reunião na manhã desta quinta-feira (21), na sede da Fundação Municipal do Meio Ambiente (Fujama), com participação do presidente da autarquia, César Humberto Rocha; o secretário de Planejamento, Aristides Panstein; e moradores do bairro Ilha da Figueira.
“Fizemos essa reunião para por esta entidade a par do que vai ser feito naquele local e saber o que a Prefeitura pode fazer para ajudar a resolver este problema”, destacou o vereador. Os moradores já tinham levado o problema ao conhecimento da Fujama e também à Fundação do Meio Ambiente (Fatma), em Joinville, que alegou falta de geólogos para verificar a situação.
A solução para a erosão que assola as margens do rio, segundo os técnicos, se chama “espinha de peixe”, e será usada para diminuir a velocidade do leito do rio. “A água está correndo com muita rapidez. Há um desvio formado por sedimentos em uma margem do rio, o que faz com que a água seja desviada e cave a outra margem do rio”, explicou Marcos Trojan, geólogo da Infrasul.
Rocha comentou que o projeto deve ser protocolado na Fujama e um cronograma de obras deve ser apresentado para o acompanhamento do caso. “Nós vamos acompanhar o caso, já que um ‘Ok’ já foi dado pela Fatma [Fundação Estadual do Meio Ambiente]”, comentou o presidente da fundação.
Trojan explicou que há uma negociação com a empresa Zanotti para a utilização de um acesso ao rio. “O gerente da empresa está em viagem, mas eles devem liberar a entrada. Em outros casos já houve a necessidade de alugar o terreno”, exemplificou o geólogo. “Se o tempo colaborar, a obra deve demorar 60 dias para ficar pronta”, adiantou.
Francisco Alves explicou ao secretário Aristides Panstein a necessidade da construção de uma nova barreira no final da rua Lilia Ayroso Oechsler. Segundo o vereador, há apenas uma cerca, que oferece perigo aos munícipes, já que o rio está muito próximo da barreira. “Na próxima semana devemos visitar o local para ver qual a solução para o problema. Iremos convidar a prefeita (Cecília Konell) para que ela possa verificar a situação pessoalmente”, prometeu o secretário de Planejamento, ao ressaltar que a reforma da barreira deve ser construída pela Secretaria de Obras.
Há duas semanas, havia sido realizada uma reunião entre os técnicos da Infrasul e os moradores da Ilha da Figueira, na Câmara. O vereador Francisco, que vinha acompanhando a preocupação dos moradores, que nos últimos meses perderam enormes faixas de seus terrenos, elogiou a iniciativa da empresa. “É louvável a iniciativa de vocês terem nos procurado com o projeto já pronto, antes mesmo de serem notificados pela Fatma”, disse Francisco na ocasião. A Infrasul realiza atividades de extração mineral no rio Itapocu.