no comments

QUANDO O SAMU PODE SER ACIONADO?, QUESTIONAM VEREADORES

O presidente da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, vereador Jean Carlo Leutprecht (PC do B), informou que pretende convidar o comando do Corpo de Bombeiros Voluntários de Jaraguá do Sul e o coordenador regional do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para uma visita a ser agendada na primeira semana de agosto. O objetivo é esclarecer à população sobre que tipos de atendimentos cada um dos órgãos está capacitado para fazer, e de que forma é dividida esta tarefa.
A decisão foi anunciada depois que o vereador Jaime Negherbon (PMDB) protocolou a solicitação para este convite e o vereador José Osorio de Avila (DEM) voltou a usar a tribuna na sessão da última quinta-feira (25 de junho) para lamentar a forma de atendimento dispensada à população pelo Samu em Jaraguá do Sul.
A aplicação de um detalhado questionário durante o telefonema pedindo socorro e a demora na chegada ao local são as maiores reclamações. Os vereadores entendem que quando uma pessoa liga pedindo socorro para uma vida em risco, ela está bastante nervosa e não quer ficar perdendo tempo respondendo a perguntas que podem ser esclarecidas depois.
O vereador José Osorio de Avila contou que recebeu em sua farmácia uma paciente com muita dor. Observando que a pessoa precisava de um atendimento urgente, ele ligou para os bombeiros e foi informado que era para o Samu buscar. No contato com o Samu, precisou repetir esta história por mais duas vezes, uma delas à Central de Joinville, e desistiu de esperar por socorro. Colocou a paciente em seu carro e a encaminhou para o pronto-socorro. 25 minutos depois, quando não era mais necessário, a ambulância do Samu chegou em sua farmácia, o que ele considerou um tempo grande, já que sua farmácia fica no Jaraguá Esquerdo e o Samu na Barra do Rio Cerro.
O vereador também citou reportagem publicada na terça-feira em uma emissora de rádio, em que uma mãe disse que ligou para o Samu e os bombeiros para socorrerem seu filho ardendo em febre, e ninguém a atendeu. Moradora no bairro Rio da Luz, onde os ônibus são escassos e em uma cidade onde não há transporte público na madrugada, ela precisou aguardar o amanhecer, para que a criança fosse levada de ônibus, e muito doente e febril, ao ponto-socorro.
Em outro caso, citou o caso de um homem morador no bairro Ana Paula que encontrou a mulher caída e sem sinais vitais. Sem conseguir atendimento com bombeiros e Samu, chamou o IML, que constatou que a pessoa estava viva e agonizando.
Os vereadores defendem que está mais do que na hora de o Samu abrir uma central em Jaraguá do Sul, para que não dependa mais de Joinville. Porém, em recente entrevista a uma rádio local, o coordenador regional Maurício Benetton de Medeiros disse que independente da localização da central, a aplicação do questionário é um padrão que não deve ser alterado.
A responsabilidade sobre o Samu também foi discutida. O vereador Jaime disse que ele é um orgão do governo federal , e que o Estado apenas o administra. Ele reforçou que acredita que Jaraguá do Sul é grande o suficiente para comportar uma central. Já o vereador Justino Pereira da Luz (PT) diz que embora sendo federal, quem tem que cuidar de operação é o gestor municipal de saúde e que também recebeu várias reclamações neste sentido.
O vereador Ademar Possamai (DEM) lembrou que há outro requerimento convidando o comandante do Corpo de Bombeiros, que sempre fez um trabalho exemplar, para comparecer a uma sessão, então seria interessante que eles viessem juntos, pois não ficaria um jogando para o outro. Por fim, lembrou que há repasse de verbas públicas importantes para estas instituições.

Jornalista responsável: Rosana Ritta – Registro profissional: SC 491/JP