no comments

COMISSÃO PROCESSANTE DA SCHÜTZENFEST TERÁ CONTINUIDADE

[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d777c9-a9c4-215c.jpg[/img]

Reunidos na manhã desta segunda-feira com as assessorias jurídica e das comissões da Câmara de Jaraguá do Sul, os vereadores que integram a Comissão Processante da Schützenfest – o presidente Jaime Negherbon (PMDB), o relator Amarildo Sarti (PV) e o integrante Justino da Luz (PT) – decidiram dar continuidade aos trabalhos. Eles também já escolheram os nomes das dez testemunhas entre as 20 apontadas pela prefeita Cecília Konell, que serão convocadas a dar depoimento.
A comissão analisou a defesa entregue pela prefeita na última sexta-feira e decidiu continuar as investigações iniciadas a partir de pedido protocolado na Câmara pelos advogados Airton Sudbrack e Sônia Lila Tió Sudbrack, o jornalista Sérgio Peron e a servidora pública Taciana Tecilla Gessner. “Vamos atender ao pedido deles e investigar até o fim”, disse Jaime.
Os quatro fizeram a denúncia com base nos indícios de prática de improbidade administrativa por parte da prefeita na festa realizada em 2009, e que acabou com um prejuízo que teria ultrapassado os R$ 600 mil. As possíveis irregularidades foram detectadas pela Comissão Especial de Investigação (CEI) da Schützenfest, instituída em dezembro passado e que concluiu os trabalhos no início de junho.
O presidente Jaime Negherbon explicou que os nomes das dez testemunhas selecionadas não serão divulgados antes que todos os envolvidos sejam informados oficialmente. A data dos depoimentos deve ser definida na próxima semana. “Vamos encontrar alguma forma de tomar os depoimentos aqui mesmo na Câmara, embora não possamos usar o plenário, que está passando por adaptações”, destacou.
Jaime reforçou que o critério para a escolha das testemunhas segue o artigo 5º, inciso 3º, do decreto-lei nº 201/67, diz que o investigado deve apresentar sua defesa por escrito no prazo de dez dias depois de ser oficiado, indicar as provas que pretende produzir e arrolar “até” o máximo de dez testemunhas que ele quer que sejam ouvidos.

Jornalista responsável: Rosana Ritta – Registro profissional: SC 491/JP