no comments

QUESTÕES AMBIENTAIS MOTIVAM INDICAÇÕES

Duas das indicações aprovadas na sessão de terça-feira na Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul se referem a questões ambientais. Uma delas de autoria do vereador Jaime Negherbon (PMDB) e outra de Justino Pereira da Luz (PT). A pedido do vereador Justino Pereira da Luz (PT), a indicação nº 675/2009, de sua autoria, entrou em pauta na última hora. Ela pede que a Prefeitura revise autorização ambiental concedida para exploração de área verde no bairro Água Verde.
Justino lembrou que o problema é antigo. Ele foi abordado quando o hoje responsável pela Divisão de Conselhos da Prefeitura, Luiz Hirschen, era presidente da Associação de Moradores do Água Verde e denunciou que foi dada autorização pela Fundação Jaraguaense do Meio Ambiente (Fujama) a um senhor chamado Valmor para que fosse explorada área nos fundos da Paróquia São Judas.
O problema teria começado quando esta pessoa, de posse da licença e com uma grande placa instalada no terreno, abriu uma rua e começou a causar danos ambientais ao ribeirão Chico de Paula e à comunidade.
Neste ano, o assunto já tinha voltado a ser discutido com o presidente da comunidade, Charles Salvador. A obra foi paralisada, mas com a chuva a depredação provocou um deslizamento que quebrou o muro da casa paroquial, que também está sofrendo rachaduras, e obstruiu ainda mais o já obstruído ribeirão.
O vereador sabe que como a área é particular tem que haver intervenção da Justiça, mas disse que foi informado que a Fujama deve notificar o proprietário do terreno, e espera que isso aconteça o mais depressa possível e que o responsável pela devastação se comprometa também em ressarcir os danos.
Já o vereador Jaime Negherbon ficou feliz com a aprovação da indicação nº 619/2009, de sua autoria, em que ele pede “que citada autoridade, por meio da secretaria municipal competente, determine providências no sentido de fazer a troca da tubulação já existente sobre a rua 352, a rua Luiz Bortolini, no bairro São Luiz, por uma ponte.”
O vereador apelou para que não se faça ponte com tubos, pois a tubulação não dá vazão ao fluxo da água, ainda mais com o aumento da população, pois esta água desce lá da Tifa Martins e tem provocado alagamentos na rua que fica nas imediações da ponte da Argi.