no comments

DIRETORIA DA AMA JUSTIFICA NECESSIDADE DE RECURSO PÚBLICO

[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7779f-2c30-27c7.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7779f-2beb-4ba2.jpg[/img]
O autismo é uma disfunção comportamental e pode afetar a capacidade de comunicação e aprendizagem do indivíduo que tem a doença. Em Jaraguá do Sul, desde 1991 a Associação dos Amigos do Autista (AMA) trabalha na inserção e autonomia dos autistas dentro da sociedade. A Prefeitura almeja criar um convênio no valor de R$ 72.240,00 (divididos em oito parcelas) para ajudar financeiramente a instituição. Para esclarecer questões sobre o orçamento da associação e a real necessidade do repasse, o vereador Francisco Alves (PT) convidou representantes da AMA para uma reunião da Comissão de Finanças e Orçamento, que ele preside.
Na reunião realizada na última quinta-feira (4), o presidente eleito da AMA, Cassius Gonçalves, o presidente em exercício, Anselmo Ramos, e a diretora, Tânia Krause, apresentaram aos vereadores o trabalho feito pela entidade que atende a 35 alunos no município, com um gasto per capita de R$ 1.160,00. “Esse gasto que nós apresentamos não conta com os 12 professores conveniados com o governo do Estado”, explicou a diretora Tânia.
Além dos professores, que custam ao Estado R$ 17.720,00, a entidade mantém com recursos próprios oito funcionários (fonoaudióloga, psicóloga, terapeuta ocupacional, assistente social, pedagoga, secretária e servente) com um gasto mensal de R$ 10.665,00. Segundo documento apresentado, ainda há gastos com transporte, material pedagógico, alimentação, água luz e telefone que chegam a R$ 12.215,00.
Segundo Ramos, a entidade não tem fila de espera. “Sempre damos um jeito de atender a todos, mesmo que sejam atendidos em turnos diferentes”, disse. Para ele, o autismo é um problema educacional e de saúde pública, mas o Estado não mantém uma estrutura específica para esse tipo de problema.
O vereador Ademar Possamai (DEM) ressaltou a importância da sociedade para criar soluções para esse tipo de necessidade. “Às vezes, o Estado, poderes Estadual, Municipal e Federal, não tem condições de abarcar esse tipo de estrutura. É importante que a sociedade se mobilize nesse sentido. Mas isso não isenta o Poder Público de ser parceiro nesse trabalho”. Os vereadores vão continuar convidando para reuniões das comissões todas as entidades que se candidatarem a receber recursos públicos, para conhecer melhor seus trabalhos.
Nas fotos, Tânia, Anselmo e Cassius com os vereadores em reunião na quinta-feira.