no comments

Câmara homenageia centenário da Paróquia São Sebastião

vereador Jean Leutprecht (PCdoB)

vereador Jean Leutprecht (PCdoB)

A Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul promoveu sessão solene em comemoração aos 100 anos de existência da primeira igreja católica do município nesta quinta-feira, 12, no auditório São João na Igreja Matriz São Sebastião.

Por iniciativa dos vereadores Jaime Negherbon e Jean Leutprecht, a homenagem contou com a presença do pároco da Igreja Matriz, Donizeti Queiroz e o superior provincial da Província Brasileira Meridional, padre Léo Reck. O juiz da vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Jaraguá do Sul, Edenildo da Silva e o deputado estadual Carlos Chiodini também compuseram a mesa, juntamente com os vereadores.

Um vídeo produzido pela TV Câmara apresentou, em síntese, a história da fundação da paróquia. Em 31 de julho de 1912, o bispo diocesano de Florianópolis, Dom João Becker, decretou a criação da igreja, denominada então Paróquia Santa Emília, sob a responsabilidade da congregação dos padres do Sagrado Coração de Jesus, representados pelos dois padres que se instalaram na cidade, o padre Henrique Meller e Pedro Franken.

Em 1926 foi construída a primeira igreja Santa Emília. Em 1931 houve a reforma e ampliação do prédio e foi construída uma nova torre.  Padre Pedro Franken, tinha duas preocupações básicas, a evangelização e a educação. “Preocupação em oferecer a formação, e isto foi possível com a implantação da escola São Luís. Mais tarde, a preocupação foi com a saúde. Jaraguá do Sul sentia a necessidade de um hospital. A população era levada para Joinville com muita dificuldade. E então, juntamente com a comunidade envolvida em 1936 nascia o hospital Jaraguá, conhecido na época como ‘Hospital do Morro’”, afirmou o pároco Donizeti Queiroz, em entrevista à TV Câmara.

A influência e importância da paróquia no desenvolvimento da comunidade de Jaraguá do Sul foi tema do discurso do vereador Jean Leutprecht. “É nada menos que um século de histórias embasadas na fé, que se confundem com o desenvolvimento socioeconômico de nossa cidade”. De acordo com ele, a Igreja Matriz foi crescendo, acompanhando também o crescimento de Jaraguá do Sul, tendo papel fundamental para a evangelização da comunidade. Com o passar do tempo, com o aperfeiçoamento do trabalho e a população se expandindo cada vez mais, a igreja se firmou e se ramificou em quatro paróquias e demais comunidades.

Leutprecht destacou as pastorais e movimentos que compõem a paróquia, atendem as diversas demandas da sociedade, são elas a Pastoral Carcerária, Pastoral da Criança, Pastoral da Comunicação, Pastoral da Juventude, Pastoral dos Enfermos e Pastoral da Sobriedade. Além disso, a paróquia contribuiu na criação da primeira universidade de Jaraguá do Sul – a antiga Ferj, hoje Católica de Santa Catarina – e também na constituição do grêmio esportivo Juventus, no sentido de fomentar o desenvolvimento físico e intelectual da comunidade.

O vereador salientou também, a importância do trabalho exercido pelos padres Dehonianos, da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, presentes desde a fundação da igreja e que até hoje atuam nas comunidades católicas do município. Ele comentou que neste século de existência 18 párocos estiveram à frente dos trabalhos.

“Em nome dos demais vereadores, eu quero saudar a Igreja Matriz, todos os seus integrantes e a comunidade que festeja este centenário. Palavras são poucas para expressarmos a relevância desta entidade para Jaraguá do Sul. Desta forma, fica aqui o nosso agradecimento aos colaboradores, fiéis e todos que se emprenharam e se empenham no fortalecimento deste templo de comunhão em Deus que é a Paróquia São Sebastião”, finalizou.

O superior provincial da Província Brasileira Meridional, padre Léo Reck, parabenizou o centenário e disse que a festa dos cem anos não é a festa dos prédios, mas sim, é a festa do povo. “O povo cresceu à sombra dos sinos desta igreja e mesmo hoje com a multiplicidade de religiões, ela continua ao redor das famílias jaraguaenses”.

O juiz da Vara do Juizado Especial Cível e Criminal de Jaraguá do Sul fez um agradecimento à igreja, afirmando também fazer parte. Para ele, a materialização da fé e a evangelização que os padres fizeram e continuam fazendo contribuiu para o engrandecimento da paróquia. “O que mais vale não são os tijolos da nossa igreja, mas possuirmos um coração, nossa fé e nosso amor. Foi o que Cristo pregou e nos falou. Amai-vos uns aos outros, assim como eu vos amo”

Conforme o deputado estadual Carlos Chiodini, um dos gestos mais nobres e um dever do homem público é o reconhecimento do trabalho de determinadas entidades. Chiodini afirmou que os 100 anos de trabalho passam pelas construções e hoje se expandem em toda a cidade. “Esses 100 anos de trabalho passam pelo trabalho, pela luta, pela dedicação, pelos padres que aqui passaram. É tão amplo seja na educação, na saúde e principalmente atuando no espiritual. Todos foram beneficiados, sem exceção”, enfatizou.

O pároco da São Sebastião, Donizeti Queiroz, encerrou os pronunciamentos resgatando a trajetória do missionário Padre Pedro Francken. Imigrante vindo da Alemanha, foi o primeiro pároco de Jaraguá do Sul e aqui ajudou a fundar a primeira escola, o hospital e trabalhou em função do próximo. Em 1919, o padre foi convidado para assumir o seminário em São Bento do Sul, mas não chegou a exercer nenhuma função, em virtude da saúde debilitada, falecendo em 11 de junho 1919. “Estava no auge de sua vida, tinha 39 anos de idade. Suas últimas palavras foram: Eu ofereço minha vida pela conversão dos pecadores e pela congregação”, disse padre Donizeti.

Após o término da sessão solene, houve a inauguração do monumento em homenagem ao padre pioneiro, localizado próximo à entrada da secretaria da paróquia, intitulado Memorial Padre Pedro Francken.