Vereadores prestam homenagem à Associação de Surdos de Jaraguá do Sul

Nesta quinta-feira (26), Dia Nacional dos Surdos, a Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, através de iniciativa do vereador Ademar Braz Winter, realizou sessão solene em homenagem à Associação de Surdos do município, fundada em 12 de setembro de 2001.

Na oportunidade cinco integrantes da diretoria da associação receberam placa em reconhecimento aos serviços prestados em prol da inclusão entre surdos e ouvintes.

Com a missão de socializar a cultura surda por meio da Língua Brasileira de Sinais, os surdos buscam apoio da comunidade, familiares, intérpretes de Libras e sociedade em geral, para lutar e obter acessibilidade.

O presidente, Paulo Sérgio Praxedes do Monte Araújo, está há mais de um ano no comando da associação e vem lutando pelos direitos dos surdos, movimentando a comunidade surda no município.

A Associação realiza encontros, seminários e assembleias e está organizada com uma diretoria formada pelo presidente, vice-presidente, diretor financeiro, secretária, conselho fiscal, 1°e 2° diretor social, diretor de esportes, líder da família e líder dos intérpretes.

A sessão foi traduzida dois três intérpretes de libras, Valéria Carnelengo, Nícolas Kerstin e Clery Dreher. Em seu pronunciamento, traduzido por Clery Dreher, Praxedes disse estar imensamente feliz pela homenagem, agradeceu o reconhecimento, frisou que a associação está de braços abertos a todos e pediu mais integração entre surdos e ouvintes.

Falando em nome dos parlamentares, Arlindo Rincos, lembrou que a inclusão dos surdos na sociedade deve ocorrer de forma natural, superando as barreiras na comunicação. “Devemos vencer os preconceitos e lutar pela acessibilidade, em todas as suas formas, para que faça parte de uma cultura justa e igualitária”, pontuou.

Falando em nome do prefeito municipal, a chefe de gabinete Emanuella Wolf, ressaltou que é através da educação que os preconceitos e as barreiras serão superados. “Temos que construir juntos”, disse.

O coordenador regional de educação, Fernando Alflen, representando o governo do estado, afirmou que o trabalho de atenção e inclusão dos surdos vem avançando no município, mas precisa evoluir ainda mais. “Eles têm potencial e precisam de ajuda”.

O Dia Nacional dos Surdos

A Comunidade Surda Brasileira comemora em 26 de setembro, o Dia Nacional do Surdo, data em que são relembradas as lutas históricas por melhores condições de vida, trabalho, educação, saúde, dignidade e cidadania. No Brasil, o dia 26 de setembro é celebrado devido ao fato desta data lembrar a inauguração da primeira escola para Surdos no país em 1857, com o nome de Instituto Nacional de Surdos Mudos do Rio de Janeiro, atual INES‐Instituto Nacional de Educação de Surdos.

 

Os Homenageados

Paulo Sérgio Praxedes do Monte Araújo, 36 anos, nascido em Goiânia. Mora em Jaraguá do Sul, sua família vive em Goiânia. Tem a identidade de surdo. É casado, formado em Licenciatura no curso de Letras Libras. Também já concluiu a Pós-Graduação em Educação Especial Inclusiva e Interdisciplinares, Pós-Graduação em Tradução e Interpretação de Língua de sinais. Seu sonho como professor é motivar os surdos e o mais importante, segundo ele, é ter contato e trocar as atitudes e qualidades boas. Também sonha em dar aula de libras para ouvintes e surdos porque é importante comunicar.

 

Douglas Ramos, 29 anos, Jaraguense. É casado e tem uma filha. É formando em licenciatura e bacharelado em Educação Física. Seu sonho foi cursar educação física e escolheu o curso pq é seu dom. Gosta de motivar as pessoas para a boa saúde. Gosta da área de personal e laboral. Gosta de ajudar os surdos a aprender ser saudáveis, tanto a comunidade surda e também a ouvinte. Para ele é preciso melhorar a comunicação em libras.

 

Caio Augusto Araldi, tem 31 anos, solteiro, Jaraguaense, com deficiência auditiva severa/profunda bilateral (não usa aparelho auditivo); surdo oralizado. Frequentou escola normal; em paralelo escola de especialização para surdos (antigo CIP), e fonoaudióloga por 15 anos. Desde criança sua paixão era desenhar roupas (vestidos), e essa paixão foi crescendo e amadurecendo; após terminar o ensino médio, cursou Técnico Produção de Moda (Senai), e após concluído o técnico, cursou Moda na Católica de Santa Catarina, onde formou-se em 2014. Sua vida profissional, teve início na Soft Bonni, na área de criações, e com o objetivo de um crescimento profissional foi para Malwee Malhas, onde já está há 12 anos, na área de estamparia, porém; lutando por uma oportunidade na área de sua formação. Hoje atua como modelo também.

 

Sabrina Gaedke Cidral, nasceu surda profunda, mas oraliza e usa aparelhos auditivos, cresceu fazendo fono, aprendendo a oralizar. Também usa Libras. Antigamente quando estudava nos anos iniciais até ensino médio não tinha intérprete, diz que sofria muito, porque não tinha Lei, perdeu muito aprendizado, informações da escola, infelizmente. Quando começou a faculdade de pedagogia foi a primeira vez que teve uma intérprete, ficou muito feliz, recebeu muitas informações. Ela diz que é complicado porque o português é difícil. Ela chorava muito, mas se esforçou, lutou e se formou em 2012. Até hoje estuda Letras Libras. Vai se formar no ano que vem. Atualmente trabalha como professora, ensino de Libras para pessoas surdas e ouvintes. Os estudantes ouvintes a ensinam para que ela possa aprender mais o português. Uma troca, para a evolução profissional. Ela agradece muito a todos, marido, mãe, amigos, as intérpretes que a apoiam.

 

Elisângela Becker é surda desde pequena. Mesmo com essa dificuldade, se dedicou, estudou e hoje é formada em Recursos Humanos. Não atua na área, mas sempre busca se comunicar e conhecer as pessoas, assim evolui pessoal e profissionalmente. Apesar de ter muitos obstáculos no dia a dia, enfrenta tudo com calma e compreensão. Assim busca sua independência. Hoje é mãe de uma menina de 19 anos, ouvinte, que a ajuda e ama do jeito que ela é. Juntas, com o apoio uma da outra, vivem bem e felizes.

 

Mais fotos: