no comments

LOLI PREOCUPADO COM MATO NAS CALÇADAS

[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-20fa-3e52.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-209d-6d25.jpg[/img]
[img align=left]http://www.jaraguadosul.sc.leg.br/uploads/thumbs/c8d7778c-207d-8a40.jpg[/img]

O vereador Lorival Demathê (PMDB), o Loli, destacou na sessão de terça-feira (24 de março) da Câmara de Jaraguá do Sul, que está preocupado com o mato que está tomando conta da cidade. Loli lembrou que o problema acontece indiscriminadamente, seja em terrenos baldios, calçadas particulares ou mesmo públicas. E sugeriu que a Prefeitura discipline e fiscalize melhor a limpeza de ruas e passeios públicos.
Para ilustrar, ele mostrou uma série de fotos de calçadas e outras áreas que estão tomadas pelo mato. “Até mesmo no pátio da Arena Jaraguá, que é um dos cartões postais da cidade, há muito mato e lixo”, acrescentou. Ele apontou que a falta de limpeza pode ser observada também nos cemitérios. Até mesmo os canteiros de acesso ao Centro Universitário de Jaraguá do Sul (Unerj) estão tomados pelo mato.
O vereador Jaime Negherbon (PMDB) lembrou ao vereador que a lei número 4867, de 12 de fevereiro de 2008, proíbe a capina química – uso de agrotóxicos para eliminar ervas daninhas – no município por parte dos órgãos governamentais, e que agora é preciso muito mais funcionários para fazer a limpeza das vias públicas.
O vereador José Osorio de Avila (DEM) disse que votou contra o projeto da capina química na legislação passada, por prever apenas proibição para a administração pública, e lembrou que havia ressaltado que os gastos seriam altos para manter tantos servidores para fazer este tipo de limpeza.
Os vereadores concordaram que é preciso se chegar a um consenso, de forma a não desrespeitar a lei e poluir o meio ambiente, mas o que vereador Loli sugere à Prefeitura é que independentemente do uso da capina química, que a fiscalização seja mais rigorosa e a limpeza incentivada. Outra lei, de 1993, prevê que donos de terrenos baldios que não conservem a limpeza ou não construam calçadas paguem IPTU sobrado.

.