Obras de acessibilidade são o motivo para fechamento de UBS, explica secretário

O secretário Municipal de Saúde de Jaraguá do Sul, Alceu Moretti, explicou porque em alguns bairros do município há Unidades Básicas de Saúde fechadas. Ele participou da sessão da Câmara Municipal, nesta quinta-feira (18), a pedido dos vereadores Sirley Schappo e Rodrigo Livramento, do Partido Novo

Moretti afirmou que o motivo decorre de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado entre o município e o Ministério Público de Santa Catarina. O TAC pede que a Prefeitura jaraguaense ofereça acessibilidade em todas as UBSs da cidade. Por conta disso, algumas unidades foram fechadas para que o Executivo realizasse as obras necessárias nos prédios. 

Algumas das UBSs fechadas ficam no bairro Rio da Luz, no Santa Luzia, no Santo Estevão e no Tifa Martins (que chegou a ser ampliada). Enquanto as obras acontecem, as comunidades desses locais estão sendo conduzidas para outros postos de saúde perto de onde moram. O secretário citou alguns exemplos: 

  • A população do Santo Estevão está sendo conduzida para a UBS do bairro Jaraguá 99;
  • Do Tifa Martins, para o Caic no bairro São Luís;
  • Do Santa Luzia, para unidade do João Pessoa.

Alceu Moretti também salientou que o Executivo está aproveitando o momento, não só para cumprir o TAC, mas para ampliar e reformar as unidades, com novas pinturas, ajardinamento e colocação de pavers. Ele citou alguns exemplos dessas obras: 

  • A unidade da Vila Lenzi (o CEU), com a ampliação, deve passar de 7 cadeiras de odontologia para 14 cadeiras; e de 14 mil consultas por ano para mais de 20 mil consultas;
  • A unidade Wolfgang Weege, que está sendo construída na Barra do Rio Cerro, segundo o secretário, vai ser a maior unidade de saúde de Jaraguá do Sul;
  • E no Pama I, no bairro Czerniewicz, foi instalado um elevador para acessibilidade. 

O gestor da Saúde ainda relatou que a Prefeitura tentou realizar algumas obras com as UBSs em funcionamento, mas que não deu certo por conta do barulho e da sujeira. “Foi um desastre. Pedreiro batendo, quebrando parede, trocando piso, sujeira e poeira”. As obras prejudicaram, e muito, o trabalho dos profissionais de saúde e esse é foi motivo de fechar as unidades para realizar as adequações. 

Moretti também afirmou que algumas UBSs já foram concluídas e que outras serão entregues em breve. Uma das unidades do bairro Tifa Martins, por exemplo, vai ser reaberta em 1° de março. 

FALTA DE MÉDICOS 

A vereadora Sirley Schappo questionou o secretário sobre a falta de médicos em alguns bairros da cidade e a demora para homologação do concurso público da Prefeitura para contratação desses profissionais. O concurso tem várias etapas e ainda falta algumas fases para o certame ser concluído. Ela o indagou se não há a possibilidade de o município homologar o concurso sem a conclusão das etapas – ou homologar provisoriamente – para suprir a necessidade desses médicos nos postos. 

Moretti relatou que ele próprio também fez a mesma solicitação ao Executivo, mas que o Tribunal de Contas de Santa Catarina – órgão fiscalizador – não permite a homologação parcial de concursos públicos. Ele diz que a comissão do concurso público se reuniu na quarta-feira, dia 17 de fevereiro, para dar andamento ao pleito e concluí-lo em breve. 

Enquanto isso, para cobrir essa necessidade, ele assegura que a Prefeitura está realizando vários processos seletivos para contratação temporária de médicos e profissionais da saúde. 

 

FILAS DE EXAMES E CIRURGIAS 

O secretário também foi questionado sobre as filas que estão se formando para a realização de exames e cirurgias eletivas no Sistema Único de Saúde. O vereador Anderson Kassner (PP) lembrou que, com o início da pandemia de coronavírus, esses procedimentos foram interrompidos e, quando as unidades de saúde voltarem à normalidade, as filas serão enormes.